OPINIÃO

Na contramão do ONU-Habitat

Por Luiz Augusto Pereira de Almeida*
Em setembro de 2016, escrevi artigo, publicado em vários jornais, intitulado “A desconstrução do futuro”, no qual observei o descompasso entre as políticas públicas relativas às cidades no Brasil e as recomendações da Terceira Conferência da ONU sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável (Habitat III), que seria realizada em Quito, no Equador, de 17 a 20 de outubro. Transcorrido um ano, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), com apoio do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), realizou, em Santiago, no Chile, a Conferência das Cidades, destinada a implementar as medidas sugeridas no Habitat III.
Um dos aspectos discutidos neste evento é a necessidade de um planejamento urbano que proteja as cidades de riscos de desastres, como inundações. Outro avanço refere-se à importância de se implementarem mais parcerias público-privadas e várias frentes de colaboração entre governos e empresas para se promover o desenvolvimento dos municípios, que implica mobilidade, empregabilidade, segurança, bem-estar, moradia digna e sustentabilidade socioeconômica.
Esta síntese sobre a Conferência de Santiago nos alerta que continuamos no caminho errado no Brasil, a começar pela falta de sintonia do poder público em relação à parceria com a iniciativa privada, recomendada por alguns dos maiores especialistas mundiais no tema. O problema começa com a falta de adequado planejamento para a expansão das cidades, cujo crescimento é desordenado, suscitando providências improvisadas para o trânsito, moradia, abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos, geração de empregos e segurança pública.
Falta-nos mais diálogo com a sociedade e os setores produtivos, aproximação com universidades para a aplicação prática de seu conhecimento e segurança jurídica para investir, além de todos os onerosos itens do “custo Brasil”. Com honrosas exceções, os planos diretores quinquenais dos municípios estão longe de conter parâmetros eficazes para o desenvolvimento urbano.
Também poderíamos ter uma infraestrutura urbana e habitacional mais avançada, independentemente das crises econômicas intermitentes, se não fosse tão dificultada a realização de projetos socioambientalmente sustentáveis, que contemplam moradia, água, esgoto, saúde, escolas e infraestrutura. Há numerosos empreendimentos legalmente aprovados e licenciados, mas paralisados por força de discussões judiciais na esfera ambiental. É um custo com o qual todos os brasileiros arcam, considerando o investimento desperdiçado, os empregos não criados, a arrecadação de impostos não efetivada e os problemas sociais e demográficos decorrentes do déficit de moradias.
Na maioria das vezes, no caso dos projetos ecologicamente corretos, a paralisação não se justifica, pois os processos de aprovação e licenciamento ambientais aperfeiçoaram-se, assim como o entendimento dos empreendedores e a tecnologia disponível, além de todos os processos compensatórios eficazes.
O fato de o Brasil estar desconectado das recomendações dos especialistas e organizações multilaterais, como a ONU e a Cepal, está expresso nos números de nossas metrópoles, os quais revelam a proliferação de favelas, o desemprego, a poluição, saneamento básico insuficiente, criminalidade, congestionamentos no trânsito, quedas na rede de energia elétrica e qualidade de vida decrescente. Falta em nosso país a percepção de que esses problemas poderiam ser mitigados por um planejamento urbano de longo prazo, que levasse em conta a inexorabilidade do crescimento e adensamento urbano. Sem priorizar investimentos em soluções urbanísticas que assegurem qualidade de vida e um futuro melhor para os brasileiros, corremos o risco de perpetuar os índices negativos do bem-estar urbano.
Na Conferência de Santiago, demonstrou-se que 85% da população da América Latina e do Caribe estarão vivendo em cidades até 2050. Para nós, brasileiros, permanece no ar a pergunta: como enfrentaremos esse desafio?
* É diretor da Fiabci/Brasil e diretor de Marketing da Sobloco Construtora.
- Toda opinião divulgada neste espaço é de total responsabilidade de quem a emite.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

03
B
Yama-16.03.14
24-
22-
07
15
13
09
WELLS---160816
E

 

 

 

 

Leia mais

Vagas de emprego disponíveis...
PASSOS (MG) - Confira as vagas de emprego no setor de captação do Sistema Nacional de Emprego (Sine) localizado no posto da Unidade de Atendimento Integrado (UAI) de Passos, na Rua dos Engenheiros, 119, Bairro Belo Horizonte, telefone (35) 3526-5955: Código de Vaga - Ocupação e Observações -...
Prefeitura estimula compras...
PASSOS (MG) - A Prefeitura de Passos  implementou o 'Projeto de Compras Governamentais' através de uma parceria com o Sebrae e de uma ação conjunta das  Secretarias Municipal de Administração, Planejamento e de Indústria, Comércio e Turismo. O projeto tem como principal objetivo o...
Renato Andrade participa de...
GUAXUPÉ (MG) - O deputado federal passense, Renato Andrade, esteve semana passada na reunião da Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana (Amog), com prefeitos, vereadores e lideranças da nossa região, para discutir pautas importantes para as nossas cidades. Ele destacou que entre...
Passos FC tem mudanças para...
PASSOS (MG) – Com duas novidades em relação ao time que perdeu domingo passado e o esquema tático diferente, o Passos FC busca na noite desta quarta-feira (15), em Patrocínio, na região do Alto Paranaíba, a primeira vitória no Campeonato Mineiro da Segunda Divisão. Depois de dois resultados...
Nota à Imprensa do governo...
BELO HORIZONTE (MG) - A Secretaria de Estado de Fazenda (SEF) informa que o fluxo de caixa do Tesouro Estadual neste mês de agosto permite que o Governo de Minas Gerais possa antecipar o pagamento da primeira parcela dos salários dos servidores para esta terça-feira (14). Os recursos estarão disponíveis na conta dos...
UPA de Passos terá repasse...
PASSOS (MG) - O Ministério da Saúde aprovou a qualificação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Passos o que, na prática, funciona como um 'Selo de Qualidade' pelos serviços de saúde prestados no local. A medida garante um repasse extra de R$ 3 milhões por ano. O prefeito Renatinho...
Vôlei e basquete do CPN em...
PASSOS (MG) - Nesse fim de semana terminou em Três Corações, os Jogos Infantis da Juventude (Joju) de basquete. O sub-13 do clube vermelho e branco finalizou sua participação na quarta colocação. Quem também entrou em quadra foram os meninos do vôlei mirim, sub-16, que estiveram em...
Assembleia garante parte de...
BELO HORIZONTE (MG) - A Assembleia Legislativa de Minas Gerais aprovou em segundo turno, na última quarta-feira (8), o Projeto de Lei (PL) 5.5012/18 conhecido como 'Securitização', que permite a venda de parte das dívidas que a administração do estado tem a recolher e, assim, adiantar o recebimento de...
Prefeitos denunciam crise...
PASSOS (MG) - A Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Rio Grande (Ameg) e seus prefeitos reuniram-se na última sexta-feira (10) na sede da entidade em Passos para denunciar, durante entrevista coletiva, a crise financeira desencadeada pelo atraso de repasses constitucionais por parte do Governo do...
Prefeitura se preocupa com...
PASSOS (MG) - A Prefeitura de Passos garante que vem trabalhando para resolver o problema dos moradores de rua. Prova disso é que implantou este ano o Comitê Intersetorial da População Em Situação de Rua por meio da Secretaria Estadual de Assistencial Social em parceria com a Secretaria Municipal de...